31 de jul de 2011

Émile Durkheim



Atividade: Leia a postagem e assista ao vídeo. Faça um comentário com base em um dos conceitos de Durkheim apresentados em texto e vídeo. Relacione o conceito com alguma situação conhecida no seu cotidiano. 
     

Émile Durkheim privilegia a sociedade na relação indivíduo-sociedade. Para ele, a sociedade prevalece sobre os indivíduos por meio de suas instituições, as quais obrigam os indivíduos a incorporar as regras que são exteriormente definidas e que as pessoas tem que seguir - a exemplo das normas de ação, pensamento e sentimento.  Vivendo em sociedade os seres sociais são obrigados a aceitar regras de conduta e normas que existem. Sem regras a sociedade não seria possível. As leis são um bom exemplo, elas organizam a vida em conjunto e o indivíduo isolado não pode transformá-las. Como indivíduos isolados temos que cumpri-la sob pena de sofrermos castigos por violá-las.

Os fatos sociais dizem respeito as regras e as normas coletivas, que orientam a vida dos indivíduos em sociedade. Eles são gerais, porque se manifestam para todos os indivíduos; exteriores, porque as regras e normas independem dos indivíduos, uma vez que foram criadas pela coletividade; e coercitivos, na medida em que as regras devem ser seguidas pelos membros da sociedade, sob pena de ser punido, quando houver desacato. 

A educação é o meio por excelência nas sociedades complexas, onde predomina a solidariedade orgânica graças à complexificação da divisão do trabalho, de transmitir as regras necessárias à organização social. Na escola, aprende-se ideias, sentimentos e hábitos exigidos pela sociedade; aprende-se uma linguagem para que o aluno se comunique de modo adequado na sociedade. Sem o aprendizado da linguagem a criança não poderia participar da sociedade. As instituições (família, igreja, exército etc.) socializam os indivíduos, fazem com que eles assimilem um conjunto de normas e regras de vida que se consolidam fora dos indivíduos e que as gerações transmitem umas as outras.    

Ele propôs um método de explicação da sociedade, esta é comparada a um organismo vivo, o qual depende de certas funções para sobreviver e se reproduzir. Como Durkheim estabelece as características coercitivas e exteriores dos fatos sociais, ele propõe que a elaboração do conhecimento trate o seu objeto de estudo, a sociedade e suas instituições como coisas. Isto é, como se fossem objetos, realidades que existem de forma independente a nossas vontades. O sociólogo francês, que buscou fundamentar teoricamente a sociologia, inspirou-se nas ciências naturais e biológicas para propor um caminho para a sociologia como disciplina científica. Para ele, o cientista social deve manter uma posição de neutralidade diante dos fatos sociais e de objetividade em relação ao conhecimento produzido acerca da sociedade. Não pode deixar que suas ideias, opiniões e vontades interfiram na observação dos fatos sociais, que deve ser isenta de valores e imparcial 


Referencia
ALVAREZ, Marcos Cesar; TOMAZI, Nelson Dacio. Indivíduo e sociedade. In:___. Iniciação à sociologia. São Paulo: Atual, 2000.












32 comentários:

Anônimo disse...

Nome:Bruno Bertolini Poyares
Série:2ºA
Nº:04

Comentário:É muito interessante o modo a qual a sociedade se impõe sobre o indivíduo para que ele obedessa e seguia as normas e leis feitas pela sociedade, pois sem as regras não há uma organização e quem as infringem devem ser punidos.Além do usso de instituições para a transmissão das normas e preparando ele para as regras da sociedade.Podemos observar sua ideia quando olhamos para uma sala de aula, onde podemos ver as regras e normas serem passadas para os alunos que devem ser cumpridas.

Anônimo disse...

A sociedade de hoje,como nos diz durcaim,é como um organismo vivo,ou seja o individuo relaciona-se de forma que haja uma reciprocidade de beneficio,e se assim não fosse,não haveria sociedade,imaginemos por exemplo se em nosso cotidiano não tivessemos médicos,bombeiros,professores,garis,motorista de ônibus e tantos outros papeís importantes que mantém uma relação mútua da qual é vital para a sociedade continuar a existir de modo harmonioso,onde o individuo não é sozinho mais precisa do outro para garantir sua sobrevivência.

Emanuel Francisco Garcia Lopes - 2°B - N°: 07

Anônimo disse...

A sociedade é regida por regras, regras essas que somos obrigados a seguir. Regras essas também que se pararmos para pensar foram derivadas de um senso comum, como por exemplo a lei que proibe o fumo em ambientes fechados, o ser humano sabe que tal ação é prjudicial a saúde e por isso nao deveria faze-la. Mas é ai que entra a ação do governo, como tal senso não está sendo seguido, coloca-se uma regra pra que os meros indivíduos sejam obrigados a respeita-las se quiserem continuar frequentando os espaços públicos. Fato esse que nos leva a pensar se o que é considerado um bom senso nao é derivado deu uma regra e não a regra derivada de um senso comum, somos obrigados a agir como querem, e já que um indivíduo não pode mudar isso sozinho, as coisas acabam ficando por isso mesmo.

Pedro Ganselli da Silva-2ºA-nº32

Anônimo disse...

Todos nós vivemos em uma sociedade a base de regras, é impossivel imaginar a vida em meio a sua coletividade sem leis. Seria um lugar totalmente desorganizado e epresentaria comportamentos disrespeitosos entre os cidadãos.
Quando falamos sobre fatos sociais, estamos nos referindo ao que rege e orienta a nossa sociedade, penso ser aquilo que nos permite viver em respeito mútuo.
O mais interessante é que nos ensinam a viver no meio dessas "regras" desde pequenos,através da escola( relacionando com o meu cotidiano),que nos prepara e ensina tudo o que precisamos saber para viver no meio social, respeitando e obedecendo todas as leis que nos são impostas.

Clara Maffeis Fernades 2ºA - nº9

Vitor/n°40/2°B disse...

Para que exista sociedade é preciso respeitar regras,nela cada um desempenha uma profissão e seja qual for ela deve ser respeitada pois precisamos da união de cada profissão para manter a ordem e formação da sociedade.
Vitor/n°40/2°B

Anônimo disse...

Natália Saraceni, 2ºB, nº31

comentário: Durkheim valoriza a sociedade como um todo em sua coletividade. Para ele na relação do indivíduo com a sociedade, o privilégio é a sociedade, pois é nessa tal coletividade que são implantadas leis em que os indivíduos em sua individualidade terão que respeitar diante a sociedade. Durkheim diz também sobre a educação que é necessária para que as pessoas compreendam a civilização e os hábitos exigidos pela sociedade.
Para o sociólogo a sociologia são os fatos sociais onde as formas de agir são impostas para o homem na sociedade, onde aquilo que é exigido pela sociedade tem que ser cumprido por cada indivíduo. O “aprender a obedecer” é muito importante, pois as crianças e os jovens são apresentados a aquilo que a sociedade espera deles para que eles possam fazer parte dela de maneira correta e civilizada.
Uma relação com o meu cotidiano são as regras que eu tenho que respeitar na escola como por exemplo o uso do uniforme completo, onde foi comunicado a todos os pais e alunos que sempre é preciso fazer o uso do mesmo para facilitar a identificação do aluno. Cada indivíduo que pertence a essa sociedade que tem tal regra, tem a obrigação de respeita-la para manter a sociedade (no caso em questão, o colégio) sempre organizada fazendo seu papel de cidadão.

Anônimo disse...

Quando Durkhein cita sobre os fatos sociais e o debate, como é o caso da camara dos deputados, ele diz que a sociedade cria representações sobre o bem e o mal, e os vereadores, entre outros, discutem, porém eu não concordo quando ele diz que ela é mais racional. Para mim, não é apenas lá que há essa racionalidade. A discussão em sociedade, cada um colocando e expondo sua opinião sempre, e não apenas na ‘’criação’’ de leis para ela própria. Mas não podemos negar que essas ‘’leis’’ são imprescindíveis em nossa sociedade atualmente, porque sem elas, talvez a nossa população (não somente brasileira) estaria meio ‘desnorteada’, pelo fato de ter-nos imposto isso como forma de organização e de hábitos, por isso a necessidade de racionalidade e conversa.

Juliana Cardoso- 2º B

Daniel M. C. Teixeira - No 10 - 2º A disse...

A ideia de Durkheim sobre a sociedade continua atual mesmo muitos anos após a formulação de sua teoria em conjunto com base da Sociologia. Como ele mesmo propôs, a ideia de Sociedade deve ser analisada sem que opiniões pessoais entrem em jogo, pois a Ciência não interpreta - apenas analisa.

Hoje em dia, todos vamos para a escola para "termos uma formação", e tal formação funciona justamente como uma preparação para nossa vida não só profissional, mas também social e de cidadania. Não questionamos o que está certo ou errado. Apenas obedecemos, pois somos indivíduos. Para tentar mudar a situação - seja ela qual for - a população precisa antes de mais nada se unir para lutar por mudanças.

Anônimo disse...

Paola Daniela Argentin nº 33 segundo ano B
Realmente viver em sociedade exige de nós, seres isolados, pensar nas inúmeras consequências que estamos sujeitos à sofrer se violarmos alguma lei e/ou regra.
Provavelmente sem regras, e se a total liberdade fosse realmente existente a desordem seria total, já que mesmo com elas as coisas não funcionam como deveria, até porque aquelas mesmas pessoas que as criam muitas vezes não estão dispostas a cumpri-las.
No mundo ainda existem lugares onde a educação de casa, das escolas e das leis estão em harmonia e podendo notar até mesmo consciência social e ambiental(fatores estes, indispensáveis para o convivo com a variedade de pessoas que existem).A sociedade está carregada de instituições que influenciam a vida das pessoas, muitas vezes impondo o que deve ser feito.
Durkheim propõem algo muito bom, onde os indivíduos deveriam dar mais importância para suas idéias do que para as coisas impostas pela sociedade no geral, e não deixar que elas interfiram na nossa vida ( para não virarmos marionetes ), porém, apesar de concordar e particularmente gostar de questionar certas regras, acho que não seria possível tal fato, já que se fossemos agir apenas pelos nossos princípios fica perigoso confiar qual seria o princípio das outros ( o que é certo ou errado para eles ).
Exemplos cotidianos que representam bem a imposição de regras é a lei que proibi fumar em lugares fechados, a obrigatoriedade do uso do cinto se segurança. Na minha opinião estas são coisas que deveriam ser de escolhas nossas.

Tais Hissae Nishimura Shimabukuro disse...

Émile Durkheim comprova que em nossa sociedade somos todos movidos as regras que foram fundadas há muito tempo atrás por uma coletividades, e como seres autônomos devemos respeitá-las para não sermos punidos.Somos criados e educados para nos adequar a sociedade a nossa volta, mesmo se participarmos de outros institutos notamos que também haverá regras para serem respeitadas pelo coletivo.
Durkheim diz que a sociedade em si não pode existir sem as leis (fatos sociais), esses fatos sociais nos orientam a agir de um modo em que a sociedade como um conjunto aceite.
Na modernidade notamos que há muitas pessoas como seres individuas que são educados de um modo diferente porem na consciência de cada um há a idéia das leis que a sociedade impõe, mesmo assim isso não interferem na formação de nossa personalidade, podemos notar isso ao ver os vários tipos de tribos que existem em uma mesma sociedade dentro de São Paulo. Outro exemplo é alguns individuos de nossa sociedade que violam as leis e como punição são mantidos presos por um certo periodo de tempo determinado pelo juis.

Anônimo disse...

Thamiris Cornacchia nº38 2ºA

Gabriel Cohn diz que Durkheim considera o sitema educacional com papel central, porque é o lugar onde os jovens são apresentados as orientações que a sociedade espera deles. A visão dele da educação é a da formação de cidadãos integrados na sua sociedade, disciplinados.
Num sistema falho de educação como é o nosso então, se encontra as respostas para grandes problemas da nossa sociedade, e valores deixados para trás já a algumas décadas. O desrespeito de cidadãos para com outros, a falta do 'espírito de disciplina' por não terem essa formação necessária para entenderem o porquê das regras e porque segui-las. Tendo a massa da sociedade atual submissa, já que não consegue refletir sobre essas regras, não questiona, não exige mudanças, não tem o 'espírito de autonomia' que se exige dos cidadãos na sociedade moderna.

Anônimo disse...

Lino Silva - nº 21 - 2º ano B

A partir do texto e do vídeo, pode-se perceber que o sociólogo Émile Durkheim nos traz a ideia de que temos sempre lembrar que vivemos em um grupo, onde há regras e normas a serem cumpridas.

Ao lembrar do fato de que vivemos em uma sociedade, temos que ter a consciência de que as ações humanos podem ter consequências e faltar com respeito com o outro.

Por sorte, foram criadas as leis e as regras, onde um indivíduo, antes de fazer uma ação prejudicial ao próximo, pensa nas consequência pra si mesmo.

Anônimo disse...

Durkheim diz que a sociedade cria instituições para impor ideais nos individuos e um grande exemplo disso no nosso cotidiano é a escola que faz com que os alunos aceitem conceitos que já são impostos a muito tempo, e isso faz com que haja uma imposição de ideias.
E essas ideias não são dos individuos porém estes devem incorporá-las e fazer com que a partir do momento que são passadas elas se tornem deles.
Isso reflete da seguinte forma: o que o filósofo fala está correto e ainda é aplicado na sociedade.
Vinícius Borges Moraes - 42 - 2A

Samantha Menke disse...

Me chamou muita atenção os comentários feitos no vídeo a respeitos das leis. Para mim, elas são criadas de acordo com acontecimentos na sociedade, ao mesmo tempo em que servem para auxiliar na formação dela. Se não fossem pelas leis, a sociedade seria desorganizada, e cada um viveria de acordo com aquilo que deseja ou que acha melhor... seria uma bagunça total. Não haveria respeito e ninguém seria responsabilizado por seus atos. As leis são importantes porque moldam a sociedade de acordo com o que se pensa sobre o correto e errado. Na escola, por exemplo, alunos seguem as normas daquele lugar porque é um ambiente direcionado para a sua formação, do ser social, que servirá de ajuda para a formação da sociedade também. É coletivo... não podemos pensar de forma individual. Mesmo assim, essas regras podem gerar conflitos por causa da discordância de alguns a respeito dela, mas é justamente por isso, que elas punem aqueles que desacatam o que é dito como certo nas leis. Devemos amar o grupo do qual fazemos parte, e aprendermos a nos colocarmos no mundo do qual vivemos, respeitando o próximo e evitando confusões.

Samantha Menke - nº 38 - 2ºB

Anônimo disse...

A sociedade precisa de leis para se organizar, porem muitas leis sao feitas para a minoria, prejudicando a maioria da populaçao. Outras sao dificies de serem fiscalizadas, sendo assim muitas pessoas se acham superiores para as infringirem. A sociedade precisa primeiro de tudo ter educaçao,para a partir dai começar a se desenvolver.

beatriz samel - 2 A

Anônimo disse...

João Vitor 2ªA nº20

Émile Durkheim diz que para que exista sociedade é necessário que hajam regras, tais como as leis, que nos mostra um ideal que devemos seguir. Sem essas normas a sociedade entraria em colapso e os indivíduos não conseguiriam se organizar de forma eficiente e para que as regras sejam cumpridas as pessoas são punidas ao desobedece-las.
É claro que um único indivíduo não dita o que é
certo e o que é errado, o indivíduo isolado não
pode criar isso, as leis, por exemplo, são criadas por representantes do povo eleitos por uma politica democrática.
É importante ressaltar que esse conjunto de normas atinge a todos independente de classe social e economica, independem dos
indivíduos pois foram criadas em consenso de uma maioria e também são coercitivos, isso quer dizer que são impostos á sociedade sob pena a quem os desobedecer.
Durkheim mostra um método de explicação da sociedade baseado em um organismo vivo, na qual precisa de algumas funções vitais tais como as ditas anteriormente. Em nosso cotidiano podemos
perceber essas necessidades, por exemplo:
Se não houvessem sinais de trânsito em avenidas
bastante movimentadas aquilo vai virar um caos, não há como ter organização sem aquela sinalização, ou seja, somos subordinados á certas coisas para nos manter organizados.

Fernanda Luiza Carvalho de Oliveira disse...

Fernanda Luiza Carvalho de Oliveira n°9 2°B

Assim como Durkheim acredito que a escola é importante para crianças e jovens, pois é lá que as crianças aprendem a obedecer, e aos jovens é mostrado aquilo que a sociedade espera de cada um. A educação e a formação dos indivíduos para mim não depende somente da escola, a família também é responsável, cada pai é responsável pela formação de seu filho, a maneira como o pai educa o filho refletirá na sua integração à sociedade.
As crianças, hoje, estão mais dispostas a se integrar ao grupo, todos gostam de estar vivendo coletivamente. A juventude de hoje infelizmente não se mostra tão preocupada em se mover para reinvidicar ou mudar leis que não lhes agrada. Como hoje as crianças desde pequenas aprendem a respeitar as leis, sabem porque as seguem, mas também sabem questioná-las, futuramente essa geração poderá tornar a sociedade mais democrática, uma vez que não satisfeitos, compartilharão suas idéias e as levarão a instância reflexiva da sociedade, para que lá possam ser analisadas e julgadas.

Anônimo disse...

Giovanna Specian Sebinelli, nº 11, 2º ano "B".
Os fatos sociais - difinidos por Durkheim - que permeiam a coletividade humana, funcionam como instrumento de autocensura individual. Isto é, as leis que regem a vivência plena e harmoniosa em qualquer sociedade não funcionam simplesmente como um rudimentar instrumento de imposição (do Estado e de toda a comunidade) acerca dos direitos e deveres a serem cumpridos pelos indivíduos. Mais do que isso, constituem-se artifícios de persuasão, através dos quais o ser racional é coagido a seguir integramente os valores e condutas apreciados pela sociedade.
Os indivíduos aceitam perder a liberdade natural pela liberdade civil; aceitam perder o direito à posse natural de bens para ganhar a individualidade civil, isto é, a cidadania. Enquanto criam a soberania e nela se fazem representar, são cidadãos. Enquanto se submetem às leis e à autoridade do governante que os representa chamam-se súditos. São, pois, cidadãos do Estado e súditos das leis.

Anônimo disse...

Yago Menegon Marcon, nº 42, 2º ano "B".
Todo indivíduo atua e faz parte da sociedade, cada qual detentor de suas próprias opiniões, ideias e modos de agir. Essa relativa liberdade que o envolve, no entanto, está sujeita à regras e limites estabelecidos para o bem-estar de toda a sociedade e do meio no qual se insere. Dessa forma, é coagido a cumprir inúmeras leis, as quais se fazem bons exemplos de fatos sociais. Um exemplo do que foi dito está no indivíduo que tem ideias preconceituosas em relação ao outro. Ele possui liberdade de expressão, ao mesmo tempo em que está sob a regência das leis (as quais não é obrigado a cumprir, mas tem a consciência de que seus atos terão consequências).

Israel Campiotti - 2ºB - Nº17 disse...

Uma sociedade deve ser formado por indivíduos que se relacionam e estabelecem uma conexão mutua, onde cada um depende do outro, criando assim uma troca de serviços, é por exemplo o caso das escolas, hospitais, entre outros..
Uma sociedade apenas existe pois as regras também existem e sem elas seria impossível o funcionamento de uma sociedade onde cada indivíduo sabe de seus direitos e deveres.

Israel Campiotti - 2ºB - Nº15 disse...

Ocorreu um erro na hora de colocar o numero, o certo seria: Israel Campiotti - 2ºB - Nº15. Desculpe pelo engano

felipe almeida disse...

Durkheim dizia que a sociedade devia ser chamada de "coisas", como se fosse um objeto que existe independente de nossas vontadas.Porém, penso que as ideias da sociedade, o senso comum, imposto pela mesma, pode ser alterado, basta uma pessoa que cria e lidera um grupo, decidido a mudar esse conceito que a sociedade impos.
Podemos usar como exemplo, Martin Lutherking, Nelson Mandela.

Felipe Almeida Nº11 2ºA

Núria Bogas disse...

Núria Bogas 2ºB Número:32
Durkhaim diz resumidamente que vivemos para a sociedade,vivemos,aprendemos coisas,seguimos certo comportamento para agradar a sociedade.Mas apesar de todos nós agirmos iguais,de uma maneira ou de outra temos que seguir regras implantadas pelo sociedade,e importantes para nossa vida em nosso dia-a-dia,em nosso cotidiano.A nossa sociedade implantou os seus ''ensinamentos'' por varios lugar,na família,ingreja,escola,com amigos lugares que temos muito contato,onde realmente podemos aprender o nosso como se comportar.
Mas na realidade dependemos dessas regras,costumes implantados pela sociedade para podermos viver em um mundo vamos dizer ''civilizado''.

Anônimo disse...

Gabriel Seixas Nº10 2ºB

Os fatos sociais, com diz Durkheim são fatos gerais e coercitivos, são criados para organizar a sociedade e colocar normas na convivência social. São como as leis, que são criadas para proteção do individuo, independente dele querer ser protegido ou não. COmo o uso do cinto no trânsito, somente o descumpridor estaria sendo afetado e prejudicado, mas como os fatos são gerais, ele é obrigado a seguir, contra sua vontade sob pena de ser punido em caso contrário.

Anônimo disse...

Durkheim propõe um método de explicação da sociedade, tratando-a de forma independente e externa a nossa realidade. Como no caso do jornalismo, onde a matéria( no caso o objeto de estudo) deve ser retratada, investigada de forma imparcial pela imprensa e pelo jornalista, se abstendo das ideologias, expêriencias e pensamentos pessoais.

Bruna Labaki n3 2o B

guto disse...

Joao Augusto Nº19 2ºa
"Sem regras a sociedade não seria possível. As leis são um bom exemplo, elas organizam a vida em conjunto e o indivíduo isolado não pode transformá-las" Essa frase pode nos explicar perfeitamente oque Émile Durkheim deseja nos fale.Corretamente ela diz que infelizmente nao podemos viver sem leis ou normas,poderíamos viver apenas com a educaçao dos nossos pais,em busca de um mundo melhor.

Lucas Bortolotto Camargo disse...

Nome: Lucas Bortolotto Camargo Série: 2ºB Nº: 22

Os Fatos Sociais

Para Durkheim, o objeto de estudo da Sociologia são os fatos sociais, pois são estes que caracterizam a sociedade e garantem sua relação com o indivíduo.

Entende-se por fatos sociais os fenômenos construídos pelo Homem e impostos aos seres que compõem a sociedade, de forma a fazê-los obedecer e a serem orientados em suas vidas. Tais fenômenos são formas de agir, pensar e sentir.

Sob a perspectiva de Durkheim, são características do fato social ser externo (atua sobre o indivíduo, independentemente de sua própria vontade); Geral (Aplica-se a todos os seres sociais) e Coercitivo (Obrigando-os a obedecer as imposições, pois se violadas, penas serão aplicadas).

A sociedade do meu cotidiano impõe uma série de normas para que eu siga seus valores e ao mesmo tempo seja orientado em minha vida na sociedade.(Tais normas podem ser verificadas no modo pelo qual me relaciono com as diversas instituições sociais: escola, família, igreja, etc.).
Logo, podemos relacionar tais normas como sendo fatos sociais, pois possuem as três características supracitadas: São válidas para todos os membros; Atuam sobre estes independentemente de suas opiniões e "excluem" aqueles que não respeitam as ações impostas.

Anônimo disse...

Segundo os conceitos de Durkheim, os fatos sociais, se aplicam a todas as pessoas e seriam como as leis, que além de orientar as pessoas deve zelar pela manutençao da ordem e por isso tem vital importância para a nossa sociedade, pois são o que mantém a existência de tudo que temos hoje e sem eles, nada em nossas vidas iria ocorrer da maneira correta, as escolas por exemplo não teriam a utilidade de ensinar-nos desde criança os valores morais e regras que teriamos de respeitar por toda vida.
Pode-se dizer também que sem as regras que sempre tivemos, o homem nunca chegaria ao desenvolvimento intelectual e evolucional que se tem hoje, uma vez que ainda na idade das cavernas matariamos nossos semelhantes por uma questão de sobrevivência única do nosso ser individual. Os fatos sociais explicam de maneira um pouco subjetiva e interpretativa tudo que temos em nossa sociedade.

Victor Moura 2ºA Nº41

Anônimo disse...

Nós vivemos uma realidade em que a sociedade é independente e possui direito à liberdade até um certo ponto. O que nos deixa claro essa não totalidade de liberdade são as regras e leis impostas para qualquer individuo, e que se não forem cumpridas o autor é seriamente punido. Acredito que na época em que estamos é de extrema importância regras para que haja um pouco de organização. No nosso cotidiano nos deparamos sempre com essas regras, na escola, como o uso do uniforme, no transito, a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança, e tantos outros. Mas ainda acredito que a punição ou a proibição radicalmente não é a melhor solução para buscarmos uma sociedade cada vez mais organizada e respeitada. A educação talvez seja uma forma de resolver melhor o problema.
Letícia Escobar Vicentini - nº 19 - 2º ano B

Anônimo disse...

Na sociedade em que vivemos, estamos submetidas às leis, normas e regras que orientam a sociedade e esse conjunto de normas uns cumprem e outros não. Em função dos factos sociais, ou seja, o que diz respeito às leis e regras (em que os cidadãos são submetidos a cumprir) são transmitidos através da educação. A educação é o meio social e a disciplina da vida, de bem aprender e saber as leis, ou seja, o meio pela qual as pessoas aprenderão a conhecê-las, cumprir, respeitar e praticar, pois a escola como um lugar transmissor da orientação da sociedade e o meio mais eficaz para aprendermos o conjunto de regras, que são muito importantes. Pelo facto de nós vivermos em sociedade estamos sujeitos a respeitar , para mim os conceitos de Durkheim são exemplos que a sociedade deve incorporar, por exemplo: como seria um trânsito sem semáforo?, Ou se não existisse leis, a vida na sociedade seria mais difícil, pois cada um faria o que bem quisesse e entender. Os que não respeitam, ou cumprem as regras da sociedade abarcam as consequências sociais dos seus comportamentos. Por isso devemos cumprir as regras.

WALDINA MARIA IZATA LOPES
NO 41 - 2B, LICEU

Anônimo disse...

Na sociedade em que vivemos, estamos submetidas às leis, normas e regras que orientam a sociedade e esse conjunto de normas uns cumprem e outros não. Em função dos factos sociais, ou seja, o que diz respeito às leis e regras (em que os cidadãos são submetidos a cumprir) são transmitidos através da educação. A educação é o meio social e a disciplina da vida, de bem aprender e saber as leis , ou seja, o meio pela qual as pessoas aprenderão a conhecê-las, cumprir, respeitar e praticar, pois a escola como um lugar transmissor da orientação da sociedade e o meio mais eficaz para aprendermos o conjunto de regras, que são muito importantes. Pelo facto de nós vivermos em sociedade estamos sujeitos a respeitar , para mim os conceitos de Durkheim são exemplos que a sociedade deve incorporar, por exemplo: como seria um trânsito sem semáforo?, Ou se não existisse leis, a vida na sociedade seria mais difícil, pois cada um faria o que bem quisesse e entender. Os que não respeitam, ou cumprem as regras da sociedade abarcam as consequências sociais dos seus comportamentos. Por isso devemos cumprir as regras.

Anônimo disse...

Sarah T. Yunes,36, 2ºE.M.

A hulmanidade vive hoje submetida a regras impostas pela sociedade dizendo-nos o que é visto como correto ou não, não dando o direito da livre escolhe de um ser realmente livre. E isto vem como um modo de uma boa convivencia entre as pessoas. Tendo em vista a queles que nao seguirem as normas deveram sofrer ounição diante do que é visto como errado para a maioria, que tambem está imposta sobre essas leis.
Deixando de entao de existir o que idealizamos de liberdade de cada um.